Muro de Berlin



Imagine a seguinte experiência: Escolhemos um país qualquer, dividimos ele em duas partes - lembrando que antes disso era UM único país, um mesmo povo, uma mesma língua, uma mesma cultura e uma mesma história - uma das partes coloca em prática o capitalismo e a outra, o socialismo. Em seguida observamos qual das duas partes se sai melhor. Isso nos permitiria tirar algumas conclusões, concorda?
Pois foi mais ou menos isso que representou a divisão da Alemanha em Alemanha Ocidental (capitalista) e Alemanha Oriental (socialista).

Ao fim da II Guerra Mundial, a derrotada Alemanha é dividida entre os quatro aliados. Uma parte, dominada por americanos, britânicos e franceses adotou o capitalismo, enquanto a metade dominada pelos soviéticos adotou o socialismo.
Berlim ficava no lado oriental, mas como era a capital, também acabou dividida. O lado sob o controle ocidental acabou se tornando uma ilha de capitalismo bem no meio da Alemanha Oriental socialista.
Mesmo com as fronteiras fortemente vigiadas era muito fácil ir de uma Alemanha para a outra: Bastava ir até Berlim e passar para o outro lado. E foi justamente isso que muitos alemães fizeram: Entre 1949 e 1961, cerca de 3 milhões de pessoas se recusaram a viver sob o socialismo e fugiram para o lado capitalista, sendo mais de 3 mil médicos, 17 mil professores e 17 mil engenheiros. Em agosto de 1961, uma média de 2.000 alemães orientais estavam atravessando para o Oeste POR DIA. Essa fuga de trabalhadores qualificados ameaçava a economia da Alemanha Oriental.

No dia 15 de agosto de 1961, dois dias depois de fechar a passagem livre entre Berlim Oriental e Ocidental com arame farpado, as autoridades da Alemanha Oriental começaram a construir um enorme muro, que mais tarde ficaria conhecido como o Muro de Berlim, com o objetivo de bloquear permanentemente o acesso para o Ocidente. Pelos próximos 28 anos, o fortificado Muro de Berlim seria o símbolo mais tangível da Guerra Fria. Seria também o maior atestado de que o socialismo não funciona, pois foi necessário construir um muro para impedir que as pessoas fugissem do lado socialista para o lado capitalista e mesmo assim, muitos arriscaram a vida ou morreram tentando fugir.

Com extensão de 156 quilômetros, o Muro de Berlim possuía mais de 300 torres de observação munidas de militares armados, cercas elétricas, explosivos e cães ferozes. Mesmo assim, mais de 5 mil alemães orientais conseguiram escapar para o lado ocidental e outras 239 pessoas morreram tentando fazer o mesmo.
Somente em novembro de 1989, após várias manifestações populares e o enfraquecimento da União Soviética, o Muro de Berlim foi derrubado. A reunificação da Alemanha ocorreu definitivamente no dia 3 de outubro de 1990.
As disparidades socioeconômicas entre as duas partes ainda é visível até hoje. Mesmo com um grande esforço do governo para diminuir as diferenças, o lado oriental ainda é bem menos desenvolvido que o ocidental.
Embora esta seja uma parte da história que todos aprendem na escola e os fatos colocados aqui sejam amplamente conhecidos, muitos ignoram a principal lição que este episódio nos ensinou: A de que o capitalismo é definitivamente, melhor que o socialismo.

Fontes:

http://www.brasilescola.com/geografia/muro-berlim.htm
http://mundoestranho.abril.com.br/materia/o-que-foi-o-muro-de-berlim
http://infograficos.estadao.com.br/public/especiais/muro-de-berlim/
http://educacao.uol.com.br/disciplinas/historia/muro-de-berlim-marco-da-guerra-fria-caiu-em-9-de-novembro-de-1989.htm
http://www.seuhistory.com/etiquetas/muro-de-berlim
http://vestibular.uol.com.br/resumo-das-disciplinas/atualidades/reunificacao-da-alemanha-vinte-anos-depois-diferencas-ainda-dividem-o-pais.htm

Um comentário: