Facebook acusa críticos de ligação com George Soros

O Facebook contratou uma empresa de relações públicas para tentar desacreditar os críticos da empresa alegando que eles eram agentes do bilionário George Soros, informou o New York Times na terça-feira.

Em meio à crescente pressão de legisladores nos EUA e na Europa, o Facebook recorreu ao Definers Public Affairs, uma consultoria política baseada em Washington, fundada por republicanos e especializada em pesquisa de oposição, segundo o relatório.

Uma das táticas da campanha foi colocar Soros como a força motriz por trás de grupos críticos ao Facebook. A empresa circulou um documento de pesquisa que conecta Soros a “um amplo movimento anti-Facebook”, informou o Times, e pressionou repórteres a investigar as ligações financeiras entre Soros e grupos como Freedom from Facebook e Color of Change.

O problema é que as acusações são em grande parte verdadeiras. A Color of Change é uma ONG de direitos civis que de fato, recebe dinheiro de George Soros, conforme um porta voz admitiu, além de outros financiadores

E de fato, Soros tem criticado abertamente empresas como Facebook e Google. “Os monopólios da internet não têm nem a vontade nem a inclinação para proteger a sociedade contra as conseqüências de suas ações”, disse ele em um discurso no Fórum Econômico Mundial em Davos, em janeiro. “Isso os transforma em uma ameaça e cabe às autoridades reguladoras proteger a sociedade contra eles”.

George Soros tem se defendido das acusações que sofre classificando-as como “teorias da conspiração anti-semitas”. Mas essa tática aparentemente não vai funcionar contra Zuckerberg que também é judeu. A grande mídia rapidamente tratou de transformar a ligação do Facebook com a firma num escândalo, já que esta se sente ameaçada com a concorrência representada pelas mídias sociais e também tem ecoado a campanha anti-Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *