Iluminar sua casa hoje custa 500.000 vezes menos

Autor: Human Progress
Publicado originalmente em inglês no site HumanProgress.org

Como a BBC recentemente apontou, nossos ancestrais pré-históricos precisavam reunir e cortar “madeira 10 horas por dia durante seis dias… [para produzir] 1.000 lúmens/hora de luz… Isso é o equivalente a uma lâmpada moderna brilhando por apenas 54 minutos, embora o que você realmente obtenha ao invés disso seja muito mais horas de luz fraca e bruxuleante.”

Mesmo quando alternativas melhores, como as velas, se tornaram disponíveis, ainda era proibitivamente caro iluminar a casa para uma pessoa comum. Além disso, as primeiras velas eram produzidas a partir de gordura animal e não da parafina limpa que usamos hoje, produzindo uma chama fedorenta e cintilante.

Não foi até o século XVIII que as velas de espermacete, que eram feitas de uma substância cerosa encontrada nas cavidades da cabeça de cachalotes, e que consumiam muito menos tempo para serem produzidas, tornaram-se mais facilmente disponíveis. Mesmo assim, a luz para leitura permaneceu muito cara (sem falar no quanto isso era fatal para as baleias). George Washington calculou que cinco horas de leitura por noite lhe custaram £8 por ano – bem mais de US$ 1.000 em dólares atuais.

A lâmpada mudou tudo.

Em 1900, 60 horas de trabalho compravam 10 dias de luz. As lâmpadas incandescentes seriam 100 vezes mais brilhantes que uma vela, de forma constante e inodora. Em 1920, 60 horas de trabalho já podiam pagar por 5 meses de luz estável. Em 1990, isso aumentou para 10 anos de luz. Hoje? 52 anos.

E o progresso ainda não parou. As luzes LED continuam a ficar mais e mais baratas.

A quantidade de trabalho que uma vez comprou 54 minutos de luz agora compra 52 anos de luz. O custo caiu num fator de 500.000 e a qualidade dessa luz transformou-se de instável e arriscada para limpa, segura e controlável.

Como acontece com outros produtos que tomamos como garantidos hoje, a luz se transformou de algo precioso demais para ser usado em algo pelo qual todos podem pagar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *